quarta-feira, janeiro 06, 2010

DE MISTÉRIO VESTIDA



De mistério vestida, me sinto despida de vestes, vestida de nada. Vestida de céu.

Olhar que passa, pensamento que vagueia, sorriso que esvoaça. De mistério vestida.

De mistério vestida contemplo o oceano, o fluir da maré. Sem frio, sem dor, pele da minha pele.

Cabelos revoltos, semblante ausente, assombrosa harmonia com a magia dos elementos.

O Sol no ocaso, de brilho dourado, evoca na transparência o mistério que me veste.



3 Comments:

Blogger نظير said...

Para os menos atentos serei um mistério, para aqueles que olham para lá da silhueta de mulher serei um livro aberto...
Nadir
Bjs

05 fevereiro, 2010 17:28  
Blogger Carolina Grant said...

Bela poesia! Gostei muito do estilo!

08 janeiro, 2012 06:43  
Anonymous Marco Antonio de Alvarenga said...

De mistérios se vive uma vida,
Vestida ou nua...
De mistérios tu vestes o amor,
Com alegria ou dor...
De mistérios tu fazes poesias,
Com encantos a nos seduzir...
E são lindas!

Receba meu carinho...


Marco Antonio de Alvarenga

26 abril, 2012 22:27  

Enviar um comentário

<< Home


Druidess Druid